quinta-feira

Animais dispersores de sementes

Na complexa trama que reveste a dinâmica do meio ambiente, a síndrome de dispersão das sementes e a polinização das flores são as dependências mais diretas que as plantas tropicais têm dos seres bióticos, constituindo uma relação crucial para a manutenção da vida.

Animais dispersores de sementes (zoocoria) inicialmente alimentam-se da produção das árvores para depois realizar a dispersão lançando novamente na natureza, podendo estas germinar e produzir novas árvores.

Para que ocorra a interação positiva entre as espécies dos reinos animal e vegetal, o modo de dispersão das plantas e a relação entre seus frutos e os animais têm grande importância, uma vez que é necessário que ocorra uma identificação entre estes para que o fenômeno aconteça.

Entre os animais, os principais agentes dispersores de sementes são os vertebrados, onde se destacam as aves e os morcegos, embora outros grupos também possam exercer esta função: mamíferos, roedores, peixes frugíveros, anfíbios e lagartos. Dentre os invertebrados, a formiga se destaca.

Outro aspecto importante é a dormência, cerca de 2/3 das espécies apresentam essa característica (atraso na germinação), um processo natural encontrado em várias plantas, prejudicado quando ocorre a falta de um agente dispersor, fazendo com que algumas plantas não germinem (mesmo quando a semente encontra temperatura, ar e umidade propícios para seu desenvolvimento), pois precisa passar pelo trato digestivo dos animais.

Nas florestas tropicais, aves e morcegos podem ser considerados os grandes responsáveis pela movimentação de sementes e frutos. As aves apresentam várias vantagens como agentes dispersores:  são animais de volume corpóreo relativamente grande; têm facilidade de deslocamento e um raio de ação com os quais praticamente nenhum outro animal possa rivalizar.

Ao mesmo tempo que espalham ou dispersam sementes como outras aves e animais, os papagaios são considerados também predadores de sementes, ou seja, são animais que comem e destroem-nas, mas ainda assim ajudam a balancear o número que podem germinar e de árvores a nascerem na floresta.

O fato de não consumirem o fruto na mesma árvore, faz dos morcegos eficazes dispersores de sementes, contribuindo significativamente para a variabilidade genética das espécies vegetais.

Assim como o esquilo, a cutia come algumas sementes e enterra as restantes para ter alimento em outra estação. Quando ela muda de território, esquece alguma semente ou predada por felinos, a semente abandonada germina e dá origem a nova planta. Por ser alvo de caçadores juntamente com a anta, a caça predatória desses animais ameaça a sobrevivência do jatobá e de outras 50 espécies de árvores de frutos grandes, que têm no animal seu único dispersor como palmeiras e castanheiras.


O mico-leão-dourado, primata que se alimenta de 88 espécies de frutos, é um dos animais que consta na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas de Extinção do MMA.

Enquanto a natureza se encarrega da distribuição das sementes e da regeneração da mata, o ser humano cumpre papel contrário. Além de lançar na água, no ar e no solo os mais diversos tipos de substâncias tóxicas e contaminadas, agride o ambiente capturando e matando animais silvestres e aquáticos e destruindo seus hábitat.


Muitas espécies vegetais e animais já desapareceram da Terra e outras estão seriamente ameaçadas. A causa da extinção de espécies são as mais diversas: mudanças no ambiente, falta de alimento causado pelo desmatamento para a agricultura e pecuária, dificuldades de reprodução, entre outros.

Sem contar que a caça predatória pode constituir em prática de crime ambiental, caçar e matar animal silvestre sem a devida permissão ou licença da autoridade competente, contrariando o Artigo 21 da Lei 905/98.

Outra grande ameaça à conservação é a perda de interações ecológicas mutualísticas (polinização e dispersão) e antagonisticas (predação de sementes e herbivoria).

Além disso, os animais desempenham um papel importantíssimo na recomposição de áreas degradadas e também são vitais para a manutenção da estabilidade ecológica. Quando estes depositam sementes de espécies vegetais pioneiras em áreas abertas criadas pelo homem, estão contribuindo para a recomposição ambiental.

A manutenção da vida nas florestas depende da interação entre planta e animal, relação esta que mantém em equilíbrio e constitui a biodiversidade no Planeta.

Fonte: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Ciência Hoje On-line, Guardião da Natureza/BPA, MMA.

E como dizia Clarice Lispector: "A humanidade está ficando dura. Os fatos estão ficando contundentes."

5 comentários:

  1. Anônimo1.11.13

    NAO AJUDOU EM NADAA!!! perda de tempo. aff

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo1.11.13

      VERDADE!!!!! Li tudo e nao achei nada

      Excluir
  2. Anônimo1.11.13

    que lixo perdi meu tempo!!!!!!

    ResponderExcluir
  3. odiei... droga!! copiei e tirei 1,5 no trabalho da escola

    ResponderExcluir
  4. Anônimo6.11.13

    gente é facil os animais comem o fruto com a semente dentro depois elimenian nas fezes onde ele defecou nasce outra planta

    ResponderExcluir